© 2019 por Jotaerre - www.academicosdogranderio.com.br

1/1

Jorge Amado, Obá de Xangô, escreveu, em Bahia de Todos-os-Santos:
“Porém nenhuma macumba é tão espetacular como essa da roça da Gomeia, ora Nagô, ora Angola, candomblé de caboclo quando das festas de Pedra Preta, um dos patronos da casa. Nos ritos nagôs, os santos do pai de santo da Gomeia são Oxóssi e Iemanjá; do pai de santo Joãozinho da Gomeia ou da Pedra Preta, um maravilhoso bailarino, digno de palcos de grandes teatros.


Esse caminho de São Caetano, que leva à estrada difícil da Gomeia, é percorrido por quanto artista, quanto escritor e quanto sábio passa por essa cidade. Sou ogã desse candomblé, levantado por Iansã.”


Roger Bastide, um dos mais influentes sociólogos do século XX, explicou: “Essa coexistência não deixa de causar certa confusão: não haveria oposição entre o caráter do orixá e o do caboclo que disputam a mesma pessoa?
Joãozinho da Gomeia responde a essa dificuldade estabelecendo uma série de correspondências entre orixás e caboclos (o mesmo tipo de correspondência, aliás, que se estabeleceu entre os orixás e os santos do catolicismo), de modo que o mesmo ‘poder’ é que, com nomes diferentes, possuiria a mesma pessoa.”


E Abdias do Nascimento, em texto para o Quilombo, relatou o seguinte achado:
“Caxias se transformará num grande, imenso quilombo. Seu povo é todo negro. Cada fundo de casa é um terreiro, em cada encruzilhada se topa com um despacho pra Exu. Não é sem motivo que já chamaram Caxias de ‘Roma sem torre de igrejas...’

(...) Era dia de São João em Caxias. Os terreiros embandeirados; o lugar dos atabaques ocupado pelos músicos

(...). Nos Cartolinhas de Caxias a festa transcorreu animadíssima.

(...) Dançamos também no terreiro do famoso pai-de-santo Joãozinho da Gomeia, que, apesar de ser filho de Oxóssi, é um fervoroso devoto de São João.”


É com as bênçãos dos deuses apregoados que o GRES Acadêmicos do Grande Rio, nas águas correntes do sonho, levará ao asfalto sagrado uma história dos Brasis profundos. Um olhar para o nosso passado e para o legado de um líder negro, homossexual e nordestino, bailarino que ousou dançar com o poder instituído e enfrentou, queixo alto e voz potente, as navalhas do preconceito.


A comunidade de Caxias se veste para o xirê: cheguem todos, vamos juntos!
Nas tintas de Djanira, nos retratos de Pierre Verger!
Saudemos, unidos, Joãozinho da Gomeia!

Chega de violência, sofrimento e dor

O pelourinho ainda não findou

para os ocultos opressores da nação

G. Martins, Adão Conceição, Barberinho, Queirós, e Nilson Kanema

- Águas claras para um rei negro (samba de enredo do carnaval de 1992)

Pandeiro quando toca
Faz Pedra Preta chegar
Viola quando toca
Faz Pedra Preta sambar
Baden Powell e Vinícius de Moraes –
Canto do Caboclo Pedra Preta
Rio é orixá, vento é inquice, maré é vodum,
pedra de riacho é encantamento de bugre.
Luiz Antonio Simas – A morada do rei dos índios
Okolofé!
Xetruá! Maromba Xeto!
Viva o Brasil-Caboclo e salve o Brasil-Pandeiro!


Jurema, Jibóia, Peri, Jupiara, Flecheiro, Jaciara, Aimoré, Tupiaçu, Campina- Grande, Cobra-Coral, Sete-Flechas, Sete Encruzilhadas, Girassol, Sultão-das- Matas, Guiné, Jaguará, Pena-Branca, Araranguá, Tabajara, Cachoeira, Tupaíba, Rompe-Mato, Guaraná, Mata-Virgem, Sete-Estrelas, Folha-Verde, Treme-Terra, Tira- Teima, Tupinambá, Ubirajara, Águia-Branca, Ventania, Arranca-Toco, Vira- Mundo... em verde, vermelho e branco, as cores dos seus cocares.

 

Em verde, vermelho e branco, as cores que nos irmanam.

Sambemos!


O samba é o dono do corpo. Exu, o pó das estradas: Laroyê! Clareia, Dindinha... As noites sem-fim da Bahia, já dizia Jorge Amado, guardam os sonhos daqueles que ousam varrer o mundo. Fumaça, perfume, poeira no redemunho. No fundo, no escuro da casa, as aparições teciam destinos emaranhados. Causos, sopros, quebrantos. Olhos pretos de carvão!
Rede que balançava a Lua nas lamparinas. Um clarão e o vulto ali: era homem?, era bicho? Voo de vaga-lumes, raízes tão retorcidas. As vozes dos devaneios indicavam o desenredo: deixar para trás os medos, nos passos do Conselheiro; seguir em direção ao mar e reinar no Trono de Angola. João Alves de Torres Filho, menino, vestiu-se em asas de pássaro.
Deu-se o fogo no mato!

 

Até parece mentira, até parece milagre. O samba é o dono do corpo. Ao Sol de São Salvador: Agô!
Flores aquareladas, folhas no chão do mercado. Coube ao velho Jubiabá, feiticeiro de muitas histórias, raspar a cabeça do moço. No alto do Morro da Cruz, sorveu o saber dos encantos. Nas festas de Dois de Julho, vestiu-se em mantos de penas. Vou-me embora pro sertão; viola, meu bem, viola! Foi na roça da Gomeia, aos pés de uma gameleira, que João da Pedra Preta firmou o seu Candomblé. Foi na roça da Gomeia, caminho de São Caetano, que as gentes mais afamadas fizeram mandinga e fuzarca. Dendezeiros, mesa farta. Axoxô e aluá. Quem não viu o bailado forte da Corte dos Orixás?
O samba é o dono do corpo. Oxóssi, o Rei caçador: Okê Arô!
Deu-se, então, a navegação. Para ser livre, nunca é tarde demais. Búzios, cauim, juremeira. Cascas, flechas de Keto. Perseguido por suas crenças e por sua visão libertária, João seguiu mar afora, aos braços do Redentor. Encontrou no chão de Caxias o ponto da nova Gomeia. Plantou os ensinamentos colhidos na roça baiana. Aldeia contemporânea, evocação ancestral. Baixavam os caboclos na Baixada, Auê!, no mesmo transe dos deuses d’África (oceanos de travessias). Bravos guerreiros daqui, saberes do ventre da mata. Do lugar, Oxóssi era o dono. Iansã, a mãe zeladora. Lambaranguange Mutalambô! Caça na Aruanda, ô coroa!

 

O samba é o dono do corpo. A carne é de carnaval: Evoé! João, malandro e vedete, abraçou o fuzuê das ruas – e no frenesi dos bailes causou o maior dos espantos. O pavão é um “passo” bonito; com suas penas douradas! Deuses de todos os credos reinavam nas passarelas. Qual não foi o bafafá quando ousou se vestir de Cleópatra? Foi ainda Faraó – “Saravá, meu pai Ramsés!” Do Teatro de Revista, herdou os leques de plumas. E nas escolas de samba foi “herói da liberdade”: Ganga Zumba, líder quilombola da saga de Palmares! Fama e notoriedade, luxo e raro esplendor. Oropa, França e Bahia bordadas em fantasias. Sob um céu de decorações, desfilou a sua grandeza. Alfinetou nos jornais: os olhos o procuravam!
O samba é o dono do corpo. O show não pode parar: Bravo!

João, bailarino brilhante, rompeu as fronteiras do rito. A arte o transfigurava: nos palcos da Zona Sul, nas luzes de hotéis e cassinos. Deixou no Municipal o aroma de benjoim. Deixou com Mercedes Baptista o sumo do seu bailado. Do Catete ao Katendê: foram muitos os notáveis que a ele entregaram a fé. Câmara Cascudo e Edison Carneiro beberam do axé caxiense – e podiam tranquilamente girar com Getúlio Vargas. Dos tragos com JK adveio a missão secreta: arriar mais de cem ebós em um eixo profetizado. Dizem que veio dela, a Rainha da Inglaterra, o título maioral: Joãozinho da Gomeia, o “Rei do
Candomblé”! A ele enviava presentes e à distância se consultava – graças ao amigo Chatô, nos ecos dos carnavais...

O samba é o dono do corpo. Oyá, nas rosas vermelhas: Eparrei! O vento que corta, arrepia. O raio que estoura, ensurdece. Nas folhas não maceradas, João avoou encantado - e pode ser redesenhado, andorinha no arrebol; e pode ser reinventado, enfim Labá-Labá. Na batida dos tambores, no Eruexim de Iansã, na espada de Kaiangô. Afefé! Podem ser revisitados os
encontros na Gomeia, podem ser reinstalados o desejo e a magia. De ver os terreiros floridos nas tardes de luz e festa. De ver as estrelas candentes no espelho das noites de gala. Fitas e franjas balançam e dançam nas festas juninas. Pinturas de jenipapo, grafismos de urucum. Nos traços do mestre Abdias, no abô de Omindarewá.
João de Inhambupe.
Do barro encarnado, o chão de Caxias.
Da terra que clama o chão de Zumbi.
Do Brasil que se faz cortejo. Do Brasil-contradições.
São negras memórias que se entrelaçam, em ciranda, com o tempo. Tempo Rei, compositor. Nzara, Senhor Kitembo!
São negras vitórias que moram nos roncós das nossas almas – e que na avenida explodem num grito de pertencimento. Respeito!

São negras histórias marcadas nos pés do nosso passado – e que num presente tão duro resistem feito mocambos. Não quebram!
Vibra novamente o couro do atabaque!
Verde em cada menino o tronco do Quilombismo!
Porque há sempre de ecoar mais forte o canto de cada Caboclo.
Viva o Povo-de-Santo e salve o Brasil-Terreiro!
Xetruá! Maromba Xeto!
Axé, Tata Londirá!
Eu sou jongueiro, baiana
Sapucaí, eu vou passar
E a Grande Rio vem comigo, saravá!

 

Carnavalescos: Gabriel Haddad e Leonardo Bora
Pesquisa e Texto: Gabriel Haddad, Leonardo Bora e Vinícius Natal

Colaborações e Agradecimentos: Mãe Sandra da Gomeia (Seci Caxi), Tata
Sergio Jitu, Carlos Nobre, Danyllo Gayer, Luise Campos, Luiz Antonio
Simas, Maria Augusta Rodrigues, Renato Ferreira, Taís Noronha, Tânia
Amaro, Thiago Hoshino

 

Referências Bibliográficas:
AMADO, Jorge. Bahia de Todos-os-Santos. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BASTIDE, Roger. O Sagrado Selvagem e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BISILLIAT, Maureen; SOARES, Renato. Museu de Folclore Edison Carneiro. Sondagem na Alma do Povo. São Paulo: Empresa das Artes, 2005.

 

COSSARD, Gisèle Omindarewá. Awô. O mistério dos Orixás. Rio de Janeiro: Pallas, 2014.


DION, Michel. Omindarewa. Uma francesa no Candomblé, a busca de uma outra verdade. Rio de Janeiro: Pallas, 2002.

 

FARELLI, Maria Helena. Plantas que curam e cortam feitiços. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

 

GAMA, Elizabeth Castelano. Mulato, homossexual e macumbeiro: que rei é este? Trajetória de Joãozinho da Gomeia (1914-1971). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Niterói: 2012.

 

GAMA, Elizabeth Castelano. Um Rei Negro na Baixada Fluminense: memória e esquecimento. Revista Periferia: Educação, Cultura; Comunicação – v. 6, n. 2, 2014.

 

GAMA, Elizabeth Castelano. Uma trajetória de muitas histórias: João da Goméia e o conflito entre Candomblé e Umbanda nos “anos dourados”. Anais do XXVII Simpósio Nacional de História - ANPUH. Natal: 2013.

 

GUIMARÃES, Helenise Monteiro. As Áfricas de Pamplona e o Debret da trinca. Figurinos monumentais do carnaval carioca. In: Textos Escolhidos de Cultura e Arte Popular (TECAP). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

 

MENDES, Andrea. Candomblé Angola e o culto a Caboclo: de como João da Pedra Preta se tornou o Rei Nagô. Revista Periferia – v. 6, n. 2, 2014.

 

MENDES, Andrea. O Rei do Candomblé nas páginas da revista. Joãozinho da Goméia em O Cruzeiro (1967). Recôncavo: Revista de História da UNIABEU – v. 4, n. 6, 2014.

 

MENDES, Andrea Luciane Rodrigues. Vestidos de Realeza: contribuições centro-africanas no Candomblé de Joãozinho da Goméia (1937-1967).
Dissertação de Mestrado em História Social – UNICAMP. Campinas: 2012.

 

NASCIMENTO, Abdias. O Quilombismo. Documentos de uma militância pan-africanista. São Paulo: Perspectiva, 2019.
NASCIMENTO, Andréa. Salve Pai Pedra Preta: uma contribuição singela à trajetória do Babalorixá Joãozinho da Goméia. Mneme Revista de Humanidades – Departamento de História e Geografia da UFRN - v. 5, n. 11,
2004.


NOBRE, Carlos. Gomeia João. A arte de tecer o invisível. Rio de Janeiro: Centro Portal Cultural, 2017.

 

NORONHA, Taís Fernanda. Joãozinho da Gomeia. Memórias do Babalorixá em Duque de Caxias (1914-1971). Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes da UNIGRANRIO, 2017.

RUFINO, Luiz; SIMAS, Luiz Antonio. Fogo no Mato. A ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

 

SIMAS, Luiz Antonio. Pedrinhas miudinhas. Ensaios sobre ruas, aldeias e terreiros. Rio de Janeiro: Mórula, 2013.

 

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

 

VALENÇA, Rachel; VALENÇA, Suetônio. Serra, Serrinha, Serrano. O Império do Samba. Rio de Janeiro / São Paulo: Record, 2017.

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás. Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo. Salvador: Corrupio, 2002.